Clique na figura ao lado ou no título acima para acesso aos filmes listados abaixo através de link externo. Nenhum destes filmes fazem parte dos arquivos deste site.

1) "Trumbo-A lista Negra" - Filme de 2016. Um bom filme para assistir nestes tempos de macartismo jurista no Brasil. Assim como o senador McCarthy foi para o lixo da História, assim também vai acontecer com Moro e seus comparsas do judiciário. "O longa conta a história de Dalton Trumbo, um roteirista de sucesso nos tempos de ouro de Hollywood, mas como membro do partido comunista americano foi considerado uma ameaça e colocado na famosa lista negra americana, que tinha nomes de milhares pessoas que trabalhavam no ramo do entretenimento e por seu envolvimento subversivo e antiamericano estariam colocando sutis propagandas comunistas nos filmes hollywoodianos. Injustiçados, esses profissionais foram presos e depois impedidos de continuarem trabalhando no ramo. Trumbo foi um dos que se rebelaram contra esse sistema, e através de uma série de pseudônimos continuou escrevendo para os estúdios cinematográficos, recebendo até um Oscar por um de seus scripts, ironizando de vez a lista negra dos EUA. O filme conta toda essa trajetória do polêmico e corajoso Dalton Trumbo, mostrando seu envolvimento, mesmo na sarjeta hollywoodiana, com obras-primas do cinema como Spartacus (1960), Êxodos (1960), A Princesa e o Plebeu (1953)." Detalhes técnicos: Data de lançamento: 28 de janeiro de 2016 (2h 04min) / Direção: Jay Roach / Elenco: Bryan Cranston, Diane Lane, Helen Mirren / Nacionalidade: EUA"

Please reload

Clique na figura ao lado ou no título acima para acesso aos filmes listados abaixo através de link externo. Nenhum destes filmes fazem parte dos arquivos deste site.

1) "Trumbo-A lista Negra" - Filme de 2016. Um bom filme para assistir nestes tempos de macartismo jurista no Brasil. Assim como o senador McCarthy foi para o lixo da História, assim também vai acontecer com Moro e seus comparsas do judiciário. "O longa conta a história de Dalton Trumbo, um roteirista de sucesso nos tempos de ouro de Hollywood, mas como membro do partido comunista americano foi considerado uma ameaça e colocado na famosa lista negra americana, que tinha nomes de milhares pessoas que trabalhavam no ramo do entretenimento e por seu envolvimento subversivo e antiamericano estariam colocando sutis propagandas comunistas nos filmes hollywoodianos. Injustiçados, esses profissionais foram presos e depois impedidos de continuarem trabalhando no ramo. Trumbo foi um dos que se rebelaram contra esse sistema, e através de uma série de pseudônimos continuou escrevendo para os estúdios cinematográficos, recebendo até um Oscar por um de seus scripts, ironizando de vez a lista negra dos EUA. O filme conta toda essa trajetória do polêmico e corajoso Dalton Trumbo, mostrando seu envolvimento, mesmo na sarjeta hollywoodiana, com obras-primas do cinema como Spartacus (1960), Êxodos (1960), A Princesa e o Plebeu (1953)." Detalhes técnicos: Data de lançamento: 28 de janeiro de 2016 (2h 04min) / Direção: Jay Roach / Elenco: Bryan Cranston, Diane Lane, Helen Mirren / Nacionalidade: EUA"

Please reload

FILMES DOCUMENTÁRIOS

Escolha o vídeo clicando no seu título.. Nenhum dos vídeos fazem parte dos arquivos deste site. Ele apenas remete a links externos.

1) Racismo

Videos-documentários sobre racismo. Em playlist no youtube. 

2) Aborto e violência obstétrica

Videos-documentários. Em playlist no youtube

3) Guerra às drogas

Videos-documentários. Em playlist no youtube

4) Gênero, Classe e Raça

Videos-documentários para debater gênero, classe e raça. Em playlist no youtube.

5) Homofobia, Lesbofobia, Transfobia

Cinco videos documentários para debater homofobia, lesbofobia e transfobia. Em playlist no Youtube.

6) O sistema carcerário  no Brasil

Cinco videos documentários sobre a realidade das prisões no Brasil. Em playlist no Youtube.

7) O sistema carcerário feminino no Brasil

4 vídeos documentários que dão uma mostra do que é o sistema carcerário feminino no Brasil. Em playlist no Youtube.

8) "Martírio" 

Filme-documentário lançado em abril de 2017 e produzido em 2016. Direção: Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho. "Martírio é um filme-evento. Vincent nos conduz para o coração das trevas do agronegócio, e nos mostra a luz e a beleza que move os Kaiowa e Guarani a lutarem para existir. Essa luz é expressa pelas reflexões, cantos, a religiosidade sempre presente e marcante, e uma epistemologia extremamente sofisticada, uma forma de ver, analisar e pensar o mundo que é única. Martírio traz uma profundidade inédita na cinematografia sobre a luta Guarani e Kaiowa. Um filme filmado de dentro, junto, e pelos indígenas também. E traz o que se pode chamar de o “outro lado” do genocídio através dos vômitos racistas no Congresso Nacional, cenas deploráveis de um leilão da morte, a fala mansa dos matadores." (Fonte deste trecho de comentário: https://www.cartacapital.com.br/cultura/martirio-um-filme-para-indignar-brasilia )

9) "Era o Hotel Cambridge"

Filme brasileiro de final de 2016 com direção de Eliane Caffé. "Premiado com o Prêmio do Público de melhor filme brasileiro na 40ª Mostra de SP, o título dirigido por Eliane Caffé acompanha o dia a dia de uma ocupação de um antigo hotel no centro da capital paulista. Ali compartilham o mesmo espaço membros de um grupo de sem-tetos com refugiados vindos de uma série de locais do mundo. Era o Hotel Cambridge faz um registro dessa resistência pelo direito a moradia aliado ao drama de indivíduos que são incapazes de se encaixar numa outra sociedade por uma série de conjunturas políticas e econômicas. Para esses dois grupos o que sobra é o desamparo, captando um espírito de um país que não consegue assegurar os direitos mais básicos de seus cidadãos. Um filme em que a desilusão de um período de crise política, econômica e social é totalmente presente."

10) "Marighela"

Documentário brasileiro de 2012 realizado por Isa Gruispum Ferraz, sobrinha de Marighella. Como ela diz em entrevista: "É importante falar para os jovens porque é uma geração que não entende o que era doar a vida para uma causa, uma idéia de Brasil. As pessoas estão muito focadas em seu próprio umbigo. E é bom saber que houve gente que pensava no País e que lutava por alguma coisa, e você pode não concordar com os métodos. O que estou querendo retratar é que houve uma geração que largou tudo para mudar o País."

11)"Nostalgia de luz"

Filme-documentário chileno de 2015 do diretor chileno Patrício Guzman. "Com roteiro enxuto e preciso onde nada é demais nem de menos, o filme se passa no deserto do Atacama, no norte do Chile, o local mais seco do planeta. Lá, astrônomos, arqueólogos e mulheres – no início, elas eram um grupo de cinquenta mulheres, depois, não mais que dez porque envelheceram e, com o tempo, vão morrendo – procuram no espaço, na terra e na areia, rastros de estrelas mortas, vestígios de passados remotos e restos de homens e mulheres assassinados pelo regime de Pinochet que foram enterrados ou jogados de helicópteros militares, se não no mar, na imensidão desse deserto desolado."

12)"O botão de pérola"

Filme-documentário de 2016 do diretor chileno Patricio Guzman. "O botão de pérola (tradução equivocada do título original - 'El botón de nácar'), ou seja, 'O botão de madrepérola', é um documentario pelo qual Guzmán se desloca para o sul, para as águas que banham a Patagônia e levanta um véu de silêncio que caiu, durante mais de século, sobre o massacre dos índios kawéskar, um dos quatro grupos de indígenas da região. E, mais recente, faz um paralelo sobre o destino dos cadáveres de dissidentes do regime de Pinochet jogados de helicópteros e de aviões no fundo do Pacífico."Patricio Guzmán enfatiza a importância e a necessidade da memória “como instrumento político de identidade de um país e de seus indivíduos.” Diz ele: “Um país sem documentário é como uma família sem álbum de fotografias.” ..... ”A televisão nasceu como o meio mais importante e pedagógico do século XX, e foi convertido em um terrorismo áudio-visual espantoso; a nossa televisão latino-americana é imoral e insuportável.”

13)"Greve de 1917"

Documentário de Carlos Pronzato, de 2017.  "Este filme foi lançado  oficialmente neste ano de 2017.  Deve-se lembrar que a greve de 1917 teve uma participação destacada dos anarquistas. Eles sem dúvida têm muito a nos ensinar do ponto de vista da organização dos trabalhadores, ou seja, uma organização pela base com preocupação constante com a conscientização política de cada um dos trabalhadores e com a chamada ação direta. Infelizmente como a história é a história dos vencedores (e esta constatação vale também no campo da esquerda) no momento em que o partido comunista no Brasil assume a hegemonia desmerece toda esta experiência classificando-a como ingênua, infantil.  Alguns historiadores marxistas se encarregam de reforçar esta visão. Com a visão própria de um marxismo ortodoxo de que nossoas ideias são apenas expressões da estrutura econômica da sociedade diziam que  o anarquismo se situava na infância do movimento operário e sua concepção era bem típica de um período em que a industrialização estava nos seus primórdios. Por isto sua recusa em aceitar a ideia de uma organização centralizada como o Estado ou partido. No entanto não há nada de infantil.  É uma questão ideológica com a qual podemos concordar ou não mas não podemos negar que a questão da ação direta revela-se fundamental principalmente nestes tempos de neoliberalismo  com estado de exceção.  Foi somente em meados da década de 70  que historiadores começaram a resgatar a história da experiência anarquista no Brasil revelando sua importância. Este documentário vem em boa hora e  com certeza se situa neste contexto de resgate e com muitas lições para a organização sindical atual." (Laerte)

Please reload